Decisão sobre fim da quarentena só na segunda-feira

Região

Inicialmente, lojas e serviços não essenciais podem voltar a funcionar na terça, mas prazo pode ser revisto

Comércio tem restrições para abertura por conta de decreto estadual determinando o isolamento social

Comércio tem restrições para abertura por conta de decreto estadual determinando o isolamento social. Foto: Ivan Ambrósio/Arquivo JI

Apesar de muitos empresários e comerciantes paulistas aguardarem ansiosos o fim da quarentena decretada pelo governo do Estado, será preciso esperar até a próxima segunda-feira (6) para saber se não haverá prorrogação do prazo.

A informação foi passada pelo próprio governador, João Doria (PSDB), durante coletiva de imprensa na manhã desta quarta-feira (1), no Palácio dos Bandeirantes.

Questionado sobre a possível prorrogação das medidas de isolamento social, o governador afirmou que a decisão ainda não foi tomada. “Nós avaliamos dia a dia, junto ao Ministério da Saúde. Daremos essa informação no próximo dia 6”, adiantou.

O Ministério da Saúde tem recomendado a manutenção do isolamento social, mas na semana passada o ministro Luiz Henrique Mandetta informou que até o início da semana deve ser definidas regras de funcionamento para comércio e serviços.


QUARENTENA

A quarentena entrou em vigor no dia 24, com previsão de término na próxima terça-feira (7), ou seja, um dia após a data estipulada para o anúncio sobre possível prorrogação.

Por força do decreto estadual, comércio e serviços não essenciais estão proibidos de funcionar até 7 de abril. Só podem funcionar farmácias, clínicas odontológicas, supermercados, padarias, açougues e postos de combustíveis.

Para serviços de alimentação, como restaurantes, bares e cafés, a recomendação é para que funcionem só na forma de delivery, para evitar aglomerações.


PROTESTO

Apesar de no início muitos comerciantes terem sido favoráveis à suspensão das atividades, após pronunciamento do presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido), na noite de terça-feira (24), dizendo que o País não pode parar, houve carreatas em várias cidades da região, pedindo a reabertura imediata do comércio, o que não foi atendido.

Em Birigui e Penápolis há também decretos municipais em vigor, determinando a suspensão das atividades do comércio e serviços locais, não essenciais.

No caso de Penápolis, o decreto entrou em vigor no dia 23, portanto, as atividades poderiam ser retomadas na segunda-feira (6).

O prefeito Célio de Oliveira (sem partido) já adiantou que o que vale é o decreto estadual, que tem força maior do que o municipal.

Assim, apesar de a lei municipal prever a reabertura das lojas na segunda-feira, será necessário aguardar o posicionamento de Doria, sobre possível reabertura, já na terça-feira.


BIRIGUI

Já no caso de Birigui, o decreto municipal prevê o fechamento do comércio do dia 25 ao 7 de abril, ou seja, um dia além do decreto estadual.

Em Birigui, as lojas terão que ficar fechadas por mais um dia, além da quarentena do Estado, caso o decreto municipal não seja alterado.

Na cidade, a Polícia Militar registrou três boletins de ocorrência de desobidiência, após flagrar um bar, um salão de beleza e uma igreja evangélica funcionando apesar da proibição.

Em Araçatuba não há decreto municipal nesse sentido, mas a Prefeitura está fazendo valer o decreto estadual. Até agora, mais de 350 comerciantes visitados foram orientados sobre a proibição de funcionamento; 102 notificados por irregularidades e dois multados.

"A Prefeitura de Araçatuba destaca que tem trabalhado em ações de orientação. O departamento de Fiscalização de Posturas, a Vigilância Sanitária e a Guarda Civil Municipal estão trabalhando diuturnamente nessas fiscalizações", informa em nota. (*) Por Lázaro Jr. - Hojemais Araçatuba



AGÊNCIA LATINA HORIZONTAL TOPO

Comentários

Atenção: Os comentários feitos pelos leitores não representam a opinião do jornal ou do autor do artigo.